Catar, Irmandade Muçulmana, Hamas e Israel

Thierry Meyssan – 08 de dezembro de 2023

As inconsistências de 07 de outubro (II)

  Ao contrário da forma como o Qatar é retratado, o emirado não é um negociador neutro no caso dos reféns da Operação Inundação de Al-Aqsa. Um erro cometido pela sua ministra, Lolwah Al-Khater, que veio acompanhar as negociações em Tel Aviv, mostra, pelo contrário, que Doha exerce autoridade sobre o Hamas. Os novos membros do gabinete de guerra de Israel ficaram surpresos ao descobrir que o Qatar tinha participado na conspiração de Benjamin Netanyahu para atacar Israel em 07 de outubro de 2023.
Lolwah Al Khater
   Este artigo segue “O que está por trás das mentiras de Benjamin Netanyahu e das evasões do Hamas”, de Thierry Meyssan, 28 de novembro de 2023. 

Lolwah Al-Khater, Ministra da Cooperação Internacional do Catar, visitou Tel Aviv em 25 de novembro de 2023. Foi a primeira vez que um funcionário do Catar visitou Israel. Ela foi recebida pelo Gabinete de Guerra para resolver problemas com a implementação do acordo de troca de reféns. Ela também visitou Gaza.

Habituada a discussões com o diretor da Mossad, David Barnea, ela não parecia compreender que o gabinete de guerra incluía não apenas partidários do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Para ganhar tempo, tomou decisões em nome do Hamas, sem se referir a ele.

Os membros da antiga oposição que se juntaram ao gabinete de emergência e testemunharam esta discussão ficaram chocados ao vê-la abandonar o seu papel de mediadora e revelar as suas ligações de autoridade sobre o Hamas, o ramo palestino da Irmandade Muçulmana.

Após a reunião, Joshua Zarka, Vice-Diretor Geral para Assuntos Estratégicos do Ministério das Relações Exteriores de Israel, declarou que Israel iria “acertar contas com o Qatar” assim que completasse o seu papel de mediador. Na verdade, se o Qatar puder dar ordens ao Hamas, já não poderá esconder a sua responsabilidade pelo ataque de 07 de outubro. Não só não é um mediador, como é um inimigo dos israelitas.

Voltemos por um momento à identidade do Qatar.

Catar e Estados Unidos

O Qatar só se tornou independente do Império Britânico em 1971. O seu primeiro emir, Khalifa ben Hamad Al Thani, voltou-se para França. Ele desenvolveu o seu país, cauteloso com as receitas fáceis provenientes dos hidrocarbonetos. Mas em 1995, foi deposto pelo seu filho, Hamad ben Khalifa Al Thani. O novo Emir assinou acordos de gás e petróleo, principalmente com empresas anglo-saxônicas (Exxon Mobil, Chevron Phillips, Shell, Centrica), empresas francesas (Total), empresas chinesas (China National Offshore Oil, CNOOC, Petrochina ), indianas, sul-coreanas e empresas japonesas. O dinheiro agora está fluindo.

Em 1996, na sequência dos Acordos de Oslo, o Qatar juntou-se aos judeus franco-canadianos David e Jean Frydman, amigos de Yitzhak Rabin e Yasser Arafat, para criar a Al-Jazeera, um canal de televisão panárabe para confrontar pontos de vista árabes e israelitas. Foi um sucesso imediato. No entanto, o canal, que estava intelectualmente envolvido no movimento de paz israelita, tornou-se a bête noire dos Estados Unidos durante as suas guerras contra o Afeganistão e o Iraque.

Em 2002, os Estados Unidos assinaram um acordo militar com o Qatar. Eles estabeleceram o seu quartel-general de comando no Médio Oriente, o CentCom, na gigantesca base de Al- Udeid. Abriga 11.000 soldados e cerca de 100 aeronaves. Para este fim, retiraram os seus homens da Arábia Saudita.

O Pentágono lembrou então ao Emir que ele não estava em condições de o desafiar: uma manhã, ele foi acordado pelas Forças Especiais no seu quarto. Um oficial dos EUA garantiu-lhe que acabavam de protegê-lo de um golpe imaginário. O Emir entendeu a mensagem e atendeu às exigências de seus protetores.

Em 2005, a base acionista da Al-Jazeera foi abalada pelo boicote aos anunciantes sauditas. Os irmãos Frydman retiraram-se do canal. Foi totalmente reformatado pela consultoria JTrack. JTrack colocou o irmão Wadah Khanfar em sua liderança [ 1 ]. Gradualmente, ele censurou todas as críticas ao “imperialismo americano” e até retirou certas imagens que mostravam os crimes dos EUA no Iraque. A Al-Jazeera, cujos jornalistas foram mortos pelas forças dos EUA e um dos seus colaboradores foi feito prisioneiro e torturado em Guantánamo, tornou-se o porta-voz das potências anglo-saxônicas, dando voz ao islamismo sunita. Em 2009, Wadah Khanfar visitou os Estados Unidos, onde foi recebido por todos aqueles que fazem parte da elite dominante.

Em 2008, o Emir entronizou um novo presidente no Líbano, em violação da Constituição, no lugar do presidente cessante.

Em 2011, o chefe do JTrack, irmão Mahmoud Jibril, tornou-se repentinamente o líder da oposição ao regime, da qual era ministro. O irmão palestino Wadah Khanfar deixou a Al-Jazeera para chefiar um think tank turco, o Al- Sharq Forum. O canal é assumido pelo primeiro-ministro, Sheikh Hamad ben Jassem ben Jaber Al Thani. Tornou-se instantaneamente o principal instrumento de propaganda da OTAN no mundo árabe. Deu uma visão unilateral dos conflitos na Líbia e na Síria, transformando-se no canal da Irmandade Muçulmana. Imam Youssef al- Qaradawi tornou-se o pregador oficial do canal. Explicou aos seus ouvintes que Mohammed estaria hoje, sem dúvida, do lado da OTAN.

O Qatar tornou-se o principal intermediário no Oriente Médio. Negocia acordos de paz entre árabes onde quer que os Estados Unidos o solicitem, no Sahara Ocidental, nas rivalidades interpalestinas, em Darfur, na Eritreia e no Iêmen. Mas também pode usar o seu poder para reiniciar guerras. Em 2012, por exemplo, deu ao Sudão do irmão Omar al-Bashir 2 bilhões de dólares para retirar o seu enviado especial, o general Mohammed Ahmed Mustafa al-Dabi [ 2 ]. O General Mustafa al-Dabi, que até então tinha sido amplamente apreciado pelo seu papel pacífico em Darfur, foi nomeado Presidente da Missão Internacional da Liga Árabe na Síria. Ele e seus colegas tiveram acesso a tudo o que queriam ver. Num relatório preliminar, concluiu que os meios de comunicação ocidentais estavam mentindo e que não houve revolução na Síria.

Em 2013, o Emir abdicou em favor do seu filho, Tamim ben Hamad Al Thani.

A “crise do Golfo”

De junho de 2017 a janeiro de 2021, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos lideraram um bloqueio ao Qatar, paralisando o Conselho de Cooperação do Golfo. Esta Guerra Fria foi mal interpretada. De acordo com o Financial Times, estava ligada a uma história obscura de pagamentos de resgate e, segundo outros, a uma declaração do Emir, Xeque Tamim ben Hamad al-Thani, a favor do uso político do Islã, tal como praticado tanto pelos muçulmanos Irmandade e Irã.

Na verdade, o Presidente da República Árabe do Egito, Abdel Fattah al-Sissi, conseguiu obter documentos da sociedade secreta que governou o seu país durante um ano, a Irmandade Muçulmana. Ex-diretor da inteligência militar, ele os estudou. Após o discurso do presidente dos EUA, Donald Trump, em Riade, contra o terrorismo da Irmandade Muçulmana (21 de maio de 2017), ele compreendeu o uso que poderia fazer deles. Então ele enviou ao rei as evidências que possuía na esperança de obter seu apoio em sua luta contra a Irmandade. Continham provas de uma conspiração da Irmandade e do Qatar para derrubar o Rei da Arábia, Salmane ben Abdelaziz Al Saoud. Para o rei e para o seu filho, foi um choque: não só a Irmandade, que o Reino mimou durante anos, concedendo-lhe um orçamento militar superior ao do seu próprio exército, tomou a liberdade de apoiar o Daesh, mas também foi atacando o monarca.

Em 05 de junho de 2017, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Egito e o Bahrein, seguidos pelo governo iemenita de Abdrabbo Mansour Hadi, o governo líbio em Tobruk, a Mauritânia, as Maldivas e as Comores romperam relações diplomáticas com o Qatar. Estes países fecharam as suas fronteiras terrestres, aéreas e marítimas ao emirado, estrangulando-o subitamente. O presidente dos EUA, Donald Trump, tomou partido, acusando o Catar de financiar o “extremismo religioso”. O Emirado foi apoiado pela Turquia, Marrocos, Hamas, Irã e Alemanha, onde o Guia Nacional da Irmandade, Ibrahim el -Zayat, tem assento no Ministério das Relações Estrangeiras. O Níger e o Chade apoiaram a Arábia Saudita.

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein emitiram um ultimato de 13 pontos ao Catar [ 3 ]. O ultimato era romper com o Islã político e os seus apoiantes: a Turquia e o Irã.

A crise só foi resolvida quando o presidente dos EUA, Donald Trump, tentou reconciliar os países árabes entre si e com Israel. Organizou a aproximação entre Marrocos e Israel, seguida pela crise do Golfo. A controvérsia em torno do Islã político é silenciada.

O Emirado do Catar e a Irmandade Muçulmana

A Irmandade (Ikwan) persegue o objetivo traçado pelo seu fundador, o egípcio Hassan El-Banna, no final da Primeira Guerra Mundial: restabelecer o Califado [ 4 ]. Numa carta ao primeiro-ministro egípcio da época, ele descreve os seus três objetivos:

• “uma reforma da legislação e a união de todos os tribunais sob a lei Sharia;

• recrutamento para as forças armadas através da instituição do serviço voluntário sob a bandeira da jihad;

• ligar os países muçulmanos e preparar a restauração do Califado, em aplicação da unidade exigida pelo Islã”.

A Ikwan é uma sociedade secreta organizada segundo o modelo da Grande Loja Unida da Inglaterra [the United Grand Lodge of England]. Como tal, só conhecemos as suas atividades através dos testemunhos dos seus antigos membros, ou de documentos apreendidos durante as suas derrotas.

Assim que foi criada, a Irmandade criou milícias para assassinar os seus oponentes. Desenvolveu-se primeiro no Egito, depois em todo o mundo árabe e no Paquistão. O Reino Unido e os Estados Unidos foram rápidos a utilizar os seus políticos (como o irmão Muhammad Zia-ul-Haq no Paquistão ou o irmão Mahmoud Jibril na Líbia) e as suas milícias, como a Al-Qaeda, o Daesh e a Liga para a Proteção da Revolução Tunisina. Assim que chegou à Casa Branca, o Presidente Barack Obama nomeou um membro da Irmandade, Mehdi K. Alhassani, para o seu Conselho de Segurança Nacional, a fim de estabelecer com ela um vínculo permanente [ 5 ].

Quando os Estados Unidos iniciaram o episódio sírio da “Guerra Sem Fim”, pediram ao Hamas que transferisse o seu escritório de Damasco para Doha. Quando a Arábia Saudita rompeu definitivamente com a Irmandade em 2014, o Qatar tomou espontaneamente o seu lugar. Sem ter os mesmos recursos do seu poderoso vizinho, o emirado tornou-se o grande ganhador de dinheiro com a aprovação dos Estados Unidos. Em 2018, o Qatar está pagando os salários dos funcionários do Hamas em Gaza. Com o acordo de Benjamin Netanyahu, o seu embaixador viaja para lá com malas cheias de 15 milhões de dólares em notas pequenas. A operação será repetida todos os meses.

Em 2022, o presidente dos EUA, Joe Biden, elevou o Qatar à categoria de principal aliado não pertencente à OTAN, uma honra reservada a apenas uma dúzia de países em todo o mundo.

Lolwah Al-Khater mostra que o Catar é mais do que isso. Exerce autoridade sobre a estratégia política e militar do Hamas.

Tradução do francês para o inglês: Roger Lagassé

[1] “Wadah Khanfar, Al-Jazeera and the triumph of televised propaganda”, by Thierry Meyssan, Voltaire Network, 26 September 2011.

[2] “Presidency of Arab League seeks to bury own experts’ report”, Voltaire Network, 27 January 2012. “Qatar buys General al-Dhabi’s resignation”, Voltaire Network, 14 February 2012.

[3] « Les 13 points de l’ultimatum saoudien au Qatar », Réseau Voltaire, 23 juin 2017.

[4Before Our Very Eyes, Fake Wars and Big Lies: From 9/11 to Donald Trump, Thierry Meyssan, Progressive Press (2019).

[5] “Muslim Brotherhood member sits at U.S. National Security Council”, Voltaire Network, 26 June 2014.

Fonte: https://www.voltairenet.org/article220118.html


Be First to Comment

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.