A inundação causou imensos danos ao Paquistão

Professor Engr. Zamir Ahmed Awan para o blog Saker

Estimativas preliminares mostram que o país já sofreu enormes danos, incluindo um número de mortos de mais de 1.000 vidas preciosas, cerca de 2.000 feridos e danos em casas, plantações, animais e propriedades. As estimativas iniciais totalizam US$ 5,5 bilhões. Mas, é apenas um relatório inicial, e chuvas fortes são esperadas para os próximos dias. É assustador que os danos reais possam ser muito maiores do que os números oficiais, pois a compilação de dados factuais é bastante difícil e demorada.

Nas províncias de Sindh e Punjab, as plantações de cana-de-açúcar e algodão foram completamente destruídas, enquanto cebola, tomate e pimenta de Kharif foram parcialmente danificadas. Só a perda das plantações de algodão foi estimada em US$ 2,6 bilhões. Especialistas acreditam que a exportação de têxteis e açúcar do Paquistão pode cair em US$ 1 bilhão.

Pelo menos 2 milhões de toneladas de trigo armazenadas nos armazéns do governo em Sindh foram estragadas devido às chuvas e inundações, ameaçando seriamente a segurança alimentar do país.

A destruição no setor agrícola significa que o Paquistão não apenas enfrentará uma escassez de oferta para as indústrias, mas também poderá haver uma crise de sementes no país.

As autoridades estimam que mais de 800.000 cabeças de gado foram perdidas devido às chuvas e inundações nesta temporada.

As inundações também destruíram as redes rodoviárias e de comunicação em quatro províncias. As autoridades estimaram os danos em US$ 2 bilhões.

Os danos sofridos pela barragem de Mohmand em construção e obras de construção em diferentes locais aumentaram as perdas devido às inundações.

Em 2022, o Paquistão recebeu chuvas mais altas do que o normal. A província de Sindh recebeu 784% mais chuva do que o normal e o Baluchistão recebeu 500% mais chuva do que o normal. Chuvas de monção acima da média também foram registradas na Índia e em Bangladesh. O Oceano Índico é uma das regiões de aquecimento mais rápido do mundo, aquecendo em média 1°C (em oposição à média de aquecimento global de 0,7°C). Acredita-se que o aumento da temperatura da superfície do mar aumente as chuvas de monções. Além disso, o sul do Paquistão experimentou ondas de calor consecutivas em maio e junho, que bateram recordes e se tornaram mais prováveis devido às mudanças climáticas. Estas criaram uma forte baixa térmica que trouxe chuvas mais fortes do que o habitual. As ondas de calor também provocaram inundações glaciais em Gilgit Baltistan.

As fortes chuvas de monção e inundações afetaram 30 milhões de pessoas no Paquistão desde meados de junho, destruindo quase 218.000 casas e danificando cerca de dois milhões a mais. Sindh e Baluchistão são as duas províncias mais afetadas em termos de impacto humano e infraestrutural. Milhões de animais foram mortos, a maioria deles na província do Baluchistão, enquanto a destruição de mais de 3.600 km de estradas e 145 pontes impediu o acesso às áreas afetadas pelas enchentes. Mais de 17.560 escolas foram danificadas ou destruídas também. A pedido da Autoridade Provincial de Gestão de Desastres do Baluchistão (PDMA – Provincial Disaster Management Authority), uma rápida avaliação multissetorial das necessidades foi realizada em 10 distritos do Baluchistão para identificar necessidades prioritárias e lacunas entre os setores. Os parceiros humanitários estão apoiando a resposta liderada pelo governo nas áreas afetadas, redirecionando os recursos existentes para atender às necessidades mais urgentes enquanto trabalham para ampliar ainda mais a resposta.

O Paquistão declarou emergência nacional e busca assistência da comunidade internacional. O secretário de Relações Exteriores, Sohail Mahmood, teve um briefing com os embaixadores/chefes de missões do Paquistão em várias capitais sobre a atual calamidade enfrentada pelo país devido às inundações de monções sem precedentes. Ele destacou os esforços liderados pelo governo do Paquistão com a ajuda de parceiros de desenvolvimento, incluindo as Nações Unidas, instituições financeiras internacionais (IFIs – International Financial Institutions) e muitos países e organizações para enfrentar os desafios assustadores apresentados pelas enchentes devastadoras. O Ministro das Relações Exteriores enfatizou a importância de esforços coordenados e eficazes para resgate e socorro na fase imediata, seguidos de reconstrução e reabilitação a longo prazo. A avaliação holística das necessidades realizada pelo Governo do Paquistão em coordenação com a Equipe Nacional da ONU foi compartilhada juntamente com detalhes da perda de vidas e danos causados à infraestrutura e propriedades. Era importante mitigar os impactos inter-relacionados das inundações, incluindo escassez de alimentos, doenças transmissíveis, destruição de abrigos, indisponibilidade de água e instalações sanitárias, etc.

O Ministro das Relações Exteriores instou as Missões a desempenhar um papel proativo na mobilização de recursos e assistência humanitária da diáspora paquistanesa e da comunidade internacional para apoiar os esforços nacionais. Os embaixadores também foram informados sobre o Flash Appeal da ONU a ser lançado em 30 de agosto simultaneamente em Genebra e Islamabad. [Ao que tudo indica, a ONU lançou esse programa emergencial. Maiores informações aqui – nota da tradutora]

Os Embaixadores foram informados sobre a ampla gama de atividades que estão sendo realizadas por eles para aumentar a conscientização internacional e angariar apoio para os esforços de resgate e socorro do Governo. Trocaram-se pontos de vista sobre a coordenação estreita, partilha rápida de informações e uma série de ações a tomar em apoio às operações em curso.

O povo do Paquistão sempre demonstrou resiliência, fraternidade, compaixão, generosidade e compromisso exemplares após tais desastres naturais. O Paquistão está entre os dez países mais propensos a desastres devido às mudanças climáticas e as inundações recentes são outra manifestação desse fato. É importante que a comunidade internacional demonstre solidariedade para com o Paquistão e reforce seus esforços nacionais no combate aos impactos de tais desastres naturais.

No entanto, apesar dos alertas precoces, o Governo não conseguiu tomar medidas preventivas. Especialistas avisaram o governo com bastante antecedência de que fortes inundações eram esperadas este ano. Meus artigos: “Climate Change has a severe impact on Pakistan/A mudança climática tem um impacto severo no Paquistão” https://www.globalvillagespace.com/climate-change-has-a-severe-impact-on-pakistan/ e “Collective efforts are required to address the wildfire issue/Esforços coletivos são necessários para resolver a questão dos incêndios florestais” http://www.southasia.com.pk/2022/06/13/taming-the-fire/ podem ser consultados.

Embora a economia do Paquistão não estivesse em boas condições para tomar medidas preventivas absolutas, a prioridade do governo e a sua vontade também foram questionáveis. O governo entregou-se a turbulências políticas desnecessárias e manteve os avisos de inundação de lado.

Nossos sentimentos estão com as vítimas e suas famílias. Que Allah perdoe todos os mortos e ore pela rápida recuperação das pessoas feridas. Sendo a nação mais filantrópica, recomenda-se que todos os indivíduos possam doar generosamente. Doe em dinheiro ou em consideração para a pessoa certa e merecedora ou através de ONGs ou organizações confiáveis e sinceras. Que Deus te recompense.

Autor: Prof. Engr. Zamir Ahmed Awan, presidente fundador GSRRA [Global Silk Route Research Alliance/Aliança Global de Pesquisa da Rota da Seda  – nota da tradutora], sinólogo (ex-diplomata), editor, analista, membro não residente do CCG (Center for China and Globalization). (E-mail: [email protected]).


Fonte: http://thesaker.is/the-flood-caused-heavy-damage-to-pakistan/

Be First to Comment

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.